domingo, 30 de junho de 2013

Uma pausa para repensar

Este blog nasceu como o primeiro passo de um plano de fuga. Eu precisava fugir do que eu era para me tornar o que sou hoje. Estava preso a uma carreira jurídica que não tinha nada a ver comigo e via minha vocação sendo desperdiçada, indo para o ralo. O blog virou minha válvula de escape. Pude escrever sobre assuntos mais prazerosos, fiz contatos e amigos e pus meus textos numa vitrine, que me ajudou a deslanchar como jornalista.
 
Sete anos se passaram e o plano deu certo. A redação é bem mais legal que o escritório e, se ainda não descobri nem 10% do que é o jornalismo, sei que agora estou me dedicando a algo em que quero crescer e me tornar melhor. Tem muitas pessoas que eu admiro, e espero poder me aproximar delas. Ao mesmo tempo, jornal diário é uma máquina de moer gente - uma produção de texto em ritmo industrial, a fórceps. Isso consome minha energia de tal maneira que, no fim do dia, não tenho pique nem para fazer social no bar, quanto mais escrever aqui.

Mas a vida nova trouxe algo que pesou mais contra o blog que a falta de tempo: a autocrítica. Sempre procurei escolher bem as palavras e escrever com correção e rigor. Mas agora, pensando como jornalista, passei a me preocupar também com a pertinência do meu texto. O que tenho a dizer hoje é relevante? Um produto editorial não pode chover no molhado em meio às outras publicações. Se ele for redundante, a existência dele não se justifica.

E a verdade é que em 2013 tem gente demais fazendo o que eu fazia aqui. Quantos blogs de comida existem hoje? Qualquer um sai pela cidade tirando fotos dos pratos com o celular e registrando impressões sobre o jantar. E blogs de viagem, então? Só sobre Buenos Aires, há tantos relatos, roteiros e dicas - descolados, defasados ou apenas deslumbrados - que o assunto já cansou por umas cinco encarnações. A internet democratizou a produção de conteúdo e isso tem um lado ótimo, a liberdade de criar pautas frescas, fora das amarras da imprensa tradicional. Mas a blogosfera tem muita bobagem por aí, textos rasos, gente que escreve sem base alguma. Nesse mar de blablablá, é preciso se diferenciar para sobreviver.

Talvez um diferencial do meu blog tenha sido um certo olhar gay sobre as coisas e a cidade. Quem frequentava este espaço sabia e esperava por isso. Ouso até dizer que meu blog ajudou a semear um boom de blogs gays que tiveram seu auge lá por 2008. Falávamos sobre comportamento, a cena noturna, as festas, as modinhas do verão de Ipanema, o balanço da semana da Parada. Isso tudo fazia muito sentido naquela época, em que a imprensa gay propriamente dita estava saindo de um longo hiato, desde o fim dos anos 90.

Hoje, não que eu tenha decidido voltar para o armário, mas não vejo mais sentido em ficar repercutindo os ecos da boate (que me preenche cada vez menos, aliás) e a pauta da agenda LGBT é extremamente repetitiva. Fizeram um comercial de TV de mau gosto? A novela está mostrando mais um personagem gay? O humorista soltou uma frase polêmica? A crentalha infiltrada no Legislativo quer emplacar um projeto de lei digno da Idade Média? Seja qual for o assunto da semana, em duas horas todos os analistas de plantão já postaram seus pareceres. E se todos já estão falando a mesma coisa, não preciso engrossar o coro e ser a enésima voz escrevendo contra o Feliciano ou a favor do Mateus Solano. Não são assuntos menos importantes, mas não bastam, e enjoam rápido.

Por essas e outras, este blog vai ter de se reinventar para seguir adiante. E ainda não sei o que quero fazer com ele. Se a ideia for enveredar pela gastronomia, um caminho para me diferenciar seria estudar e fazer cursos na área. Afinal, por mais que toda a minha família viva mergulhada em comida e fale sobre isso o tempo todo, sou mais um foodie que um real entendedor. Mas será que eu quero mergulhar fundo e virar um crítico, ou meu prazer está justamente em apreciar os restaurantes sem tanto compromisso? E o turismo? Hoje não tenho mais o tempo e o dinheiro de antes, quando postava um roteiro novo por mês. E, outra vez, será que eu quero fechar o leque tanto assim, e ser apenas mais um blog de viagem?

Enquanto essas respostas não aparecem, o jornal dá vazão à minha produção de textos e o Facebook supre minhas necessidades de expressão - com uma interação bem mais rápida, ainda que superficial. Aliás, o Facebook é o canibal de todos os blogs: ele mata a sua vontade de escrever longos textos e rouba para si os comentários que antes chegavam no blog. Por isso, talvez este período sabático também sirva para repensar, além do conteúdo, a própria plataforma. Aos que continuam visitando este espaço, sigam a página dele no Facebook para saberem das eventuais novidades.

7 comentários:

Anônimo disse...

Realmente, o q não falta hj é blog/vlog/trog/frog... mas os bons como o seu fazem falta...

ah, em tempo, por onde anda o seu amigo uomini?

Thiago Lasco disse...

Boa pergunta.

wair de paula disse...

Rapaz, a rede está realmente esbanjando informação. Todos os temas são explorados em suas infinitas interpretações - e é justamente aí que reside o detalhe : a interpretação, o olhar particular. Que é o seu caso, com bom texto e ponto de vista. Portanto, forte abraço e a gente se vê.

railer disse...

caro thiago, li o seu relato e concordo em muita coisa com você.

por outro lado, mesmo que existam muitos blogs sobre muitos assuntos, o blog do thiago lasco é único, porque é você escrevendo e, ao mesmo, nos fazendo te conhecer um pouco mais.

assim, seja você mesmo. escreva sobre o que desejar, sem ter um tema, sem ter pressa...

dizem que meu blog é de variedades, pois falo de tecnologia, cultura, marketing, esportes... outros o classificam como curiosidades. pra mim não faz diferença pois o blog é uma maneira de curtir a arte de escrever além de compartilhar coisas de que gosto.

a propósito, gosto dos seus textos!
abraços!

Paulo disse...

Existem muitos blogs por aí, mas poucos entram no meu blog roll pessoal para merecer acesso diário. O seu blog era uma deles e faz falta. Concordo com quem disse acima, que você não precisa ter um tema, mas sim escrever sobre o que tem vontade, pois sempre vi esse espaço como um blog pessoal. E sobre tanta gente que escreve por aí sobre os "assuntos da semana" não acho se você escrever também será apenas mais um texto, será o seu texto, o seu ponto de vista, que é único.

Homossexual e Pai disse...

Espero que o BLOG se reinvente logo, como vc já fez em sua vida, vc escreve bem e tem ideias em consistentes. O termo CRENTALHA é perfeito! abs

Danilo Poveza disse...

Volte a postar!